Rss

Archives for : Desenhos e Pinturas

Cyberpunk

Eu estava mastigando esta idéia há algum tempo…

Cyberpunk - técnica mista/instalação

Cyberpunk - técnica mista/instalação

Tanto tempo que acabei pensando em coisas demais para uma obra só. Este Cyberpunk é apenas o primeiro de uma série cujo nome ainda não escolhi, mas que já sei que conterá pelo menos mais 3 obras (Steampunk, Ecopunk e Nerdpunk), que são as que já foram esboçadas. Cada uma misturando materiais, técnicas e conceitos das formas mais estranhas e, espero, interessantes. Para terem uma idéia, esta é a mais convencional e sem graça da série…

Cyberpunk - detalhe

Cyberpunk - detalhe

Esta obra usa pedaços dos mais diferentes equipamentos eletrônicos, couro de uma carteira velha, plástico preto de encadernações, baterias de calculadora/relógio… Sem falar das engrenagens de papelão usando canetas e outros objetos como eixos, responsáveis pela possibilidade de o observador rotacionar o “moicano” do punk através da “maçaneta” na parte inferior.

Engrenagens de papelão atrás do Cyberpunk

Engrenagens de papelão atrás do Cyberpunk

Esse é inclusive um aspecto bastante interessante da obra, que a faz ser mais do que uma mistura de pintura, colagem e escultura, como o Coelho, mas também tem algo de instalação, com todas as inconveniências de acomodação ao ambiente inerentes ao gênero – mais especificamente, é necessário fazer uns buracos na parede pra colocar os eixos das engrenagens e acomodar a obra quando ela for exposta.

A verdade é que esse sistema ainda não está 100% funcional. As engrenagens foram mal projetadas (eu subestimei a complexidade por trás delas =P), e travam com frequência, e quando funcionam não funcionam na velocidade que eu desejava, por isso não fiz nenhum vídeo demonstrando o funcionamento ou algo do tipo. Felizmente agora sei como corrigir tudo isso, mas, como não há pressa, vou esperar as proximidades de uma oportunidade de expor para fazer os devidos ajustes.

Sobre os possíveis significados e motivações por trás da série, acho melhor comentar quando as obras estiverem todas prontas =).

P.S.: Se eu for continuar fazendo obras nesse estilo, vou ter que comprar uma câmera melhor… Por que meus trabalhos “planos”, como desenhos e pinturas, eu posso escanear com a resolução que eu quiser, mas esses tridimensionais me fazem depender da capacidade da câmera usada para registrá-los, que atualmente é péssima =P…

Onde a Música Brota

Onde a Música Brota

Onde a Música Brota - técnica mista

Ilustração feita a pedido de Tom Uplifter. Ele gostou dos meus trabalhos, então estamos fazendo alguns testes e tendo algumas conversas sobre uma possível parceria. Mais detalhes serão dados à medida que as coisas avançarem ou recuarem :P.

Dead Is The New Sexy

Esta não era exatamente a melhor idéia dentre as que eu tenho anotadas (para fazer quando tiver tempo), nem uma das mais rápidas de fazer – tanto que ainda nem está pronta – mas as circunstâncias a fizeram ser a mais adequada para se fazer neste final de semana… Por causa de nada menos que… o Halloween! E esta foi a única coisa diferente do meu dia-a-dia que eu fiz no dia das bruxas… em anos :P…

De qualquer modo, não só a época de Halloween a tornou adequada, como acho que qualquer época diferente a tornaria inadequada… pois a ilustração tem um ar acidental e desconfortavelmente necrófilo. Foi acidental porque tudo o que eu queria era fazer mais um desenho morbidamente irônico como tantos outros que já fiz… Mas não foi o primeiro que acabou passando uma imagem errada… Então, crianças, não tentem fazer em casa nada do que virem em meus desenhos ;P (especialmente comer cérebros com dois pauzinhos, você vai sujar tudo e nem sempre dá tempo de limpar as evidências. A melhor forma de comer cérebros na verdade é… algo que eu saberia se eu comesse cérebros, mas é claro que não faço isso, óbvio, pff, que idéia).

Enfim, vamos ao desenho. É uma pin-up zumbi. Tive a idéia, e logo em seguida descobri que, infelizmente, nem de longe é nova. Há milhões de ilustrações e estampas de camisas com o tema, há eventos, sites inteiros… Geralmente quando percebo que tive uma idéia que não é nova, a descarto, mas resolvi seguir em frente com essa. Por dois motivos: primeiro, testar novas técnicas de ilustração – mais especificamente, técnicas digitais – e segundo… percebi que a minha idéia não é tão não original assim, então não custava nada pôr em prática…

Abaixo está a versão feita no papel, com o velho lápis e a velha borracha.

Dead Is The New Sexy (Esboço)

Dead Is The New Sexy (Esboço)

E abaixo está a versão finalizada no Illustrator. Confesso que superou minhas expectativas. Levei horas para fazer, porque estava mexendo pela primeira vez no programa e ainda sou um pato vetorizando (tanto que grande parte fiz com a ferramenta Pencil em vez da Pen, para, acreditem, sofrer menos). Houve momentos em que eu parei, olhei, e pensei “que porcaria”. Mas no final fui pegando o jeito e acho que o resultado final está até aceitável.

Dead Is The New Sexy (Line Art)

Dead Is The New Sexy (Line Art)

Opa, eu falei “resultado final”? Calma… Ainda estou pensando em colorir… Mas aí é outra história, vou ter que aprender mais um bocado, e arranjar mais um bocado de tempo… Então fica para mais tarde…

Ah, sim, o que faz minha idéia ser um pouquinho de nada diferente do que se vê por aí em outras pin-ups zumbis é o seguinte… Ela falar “Hearts!” em vez de “Brains!”. É tão fofo, é tão inesperado, é tão… viúva-negra…

É isso, até a próxima…

Rabiscos de Caderno #1

Se vocês realmente acham que, quando passo muito tempo sem postar nenhum desenho novo por aqui, é porque de fato não ando desenhando nada, estão enganados… Arte é uma doença… que se cura com arte… que é uma doença… que se cura… enfim, deu para entender que não dá para parar. A questão é que nem sempre tenho tempo de fazer desenhos elaborados como os que posto aqui, então me contento em aliviar minha doença fazendo rabiscos em qualquer pedaço de papel que esteja por perto.

Estes esboços, por exemplo, foram desenhados em folhas de caderno ou em outros papéis que eventualmente usei para fazer cálculos ou anotações. Apenas “Brain Power”, “Wanna hear a joke?” e “Geomegician” foram desenhados em um sketchbook. Afinal, desenhar rabiscos num livro destinado a rabiscos não tem muita graça :P.

Alguns desses desenhos têm pouco mais de um ano, outros foram feitos há alguns dias. Achei interessante colocá-los aqui no blog porque mostram um estilo bem diferente do que pode ser visto nas minhas obras “oficiais”, embora seja um estilo que meus rabiscos quase sempre tiveram.

Conflito Interno

Um colega meu de faculdade, Adailson, é guitarrista de uma banda chamada Sexto Elemento, e me pediu para fazer a capa para o novo CD deles, Conflito Interno... Abaixo está a ilustração antes dos efeitos todos, feita com meus bons e velhos lápis de cor. Meio colorida demais :P.

E esta foi minha proposta de layout (que talvez Adailson não aprove) para a parte da frente do CD:

Como não me sinto bem cobrando a amigos/colegas/parentes, pedi como pagamento apenas uma cópia do CD quando sair, e a possibilidade de algum dia, em breve ou não, se não fosse muito incômodo, ensaiar e gravar uma música com eles xP… Acho que não devo ter comentado aqui que não canto mal (não só na opinião da minha mãe xD). Como ele nem relutou em aceitar o acordo, então creio que não deve achar que sou tão ruim também :D…

P.S.: A versão final da capa já foi definida. Os efeitos todos foram aplicados por Adailson.

Frente:

Verso:

An Offer He Can’t Refuse

An Offer He Can't Refuse

A idéia é antiga, tive mais ou menos na época das minhas primeiras ilustrações neste estilo, mas eu não conseguia fazer de jeito nenhum. Eu não havia encontrado uma foto de Marlon Brando como Don Vito Corleone que ajudasse no processo, além de que acho que na época eu estava tentando usar a frase inteira (“I’m gonna make him an offer he can’t refuse”), então desisti (o que prova que, apesar das aparências – afinal a impressão que causa é que dá para encaixar qualquer frase em qualquer rosto fazendo as devidas deformações – este tipo de ilusão de óptica é beeem difícil de fazer… e dentre as poucas vezes em que consegue ser terminado, só algumas poucas ficam realmente boas… No meu caso, por exemplo, acho que o único perfeito que fiz foi o “Why So Serious?“) . Mas ontem algo me fez lembrar da idéia, e miraculosamente achei uma foto perfeita, cheia de sombras, e fiz um esboço que hoje, quase agora, virou a imagem que acabei de mostrar.

Geneide

Tirando um pouco das teias de aranha depois de meses sem desenhar… Este é um dos vários pedidos de desenho que me fizeram ao longo do ano passado e só agora estou com tempo de fazer (nas férias eu estava ocupado também, me divertindo =P)… É o primeiro que estou fazendo, mas provavelmente foi o pedido solicitado mais recentemente…

Geneide - lápis de grafite sobre papel

Geneide - lápis de grafite sobre papel

Essa é a professora de português do cursinho em que estudei ano passado. Gosto muito dela, talvez por isso decidi fazer seu desenho antes de todos os outros que me pediram há mais tempo.

Nirvana

Nirvana

Saindo um pouco da mesmice de desenhos com letras formando rostos…

Black or White

I said if you’re thinkin’ of being my brother
It don’t matter if you’re…

Black or White

(Solo de guitarra)

Pronto, prestei minha homenagem.

P.S.: Preciso dar um nome a esse tipo de ambigrama (se é que é um)…

Ready for a bit of the old Ultraviolence

Ready for a bit of the old Ultraviolence

Bem longe de estar tão bom quanto meu primeiro ambigrama no estilo, o do coringa, mas gastei muito mais tempo com ele, e cheguei a parar de tentar por alguns minutos por achar que era impossível. Estou pondo ele aqui mais pelo esforço que gastou do que pelo resultado final. Falando em resultado final… Cara, eu preciso aprender a vetorizar… Faço uns paliativos no Fireworks e no Paint, e até então estava dando para o gasto… Só que fazer todo tipo de ambigrama está virando minha especialidade, e chegará o dia em que eu poderá ganhar dinheiro com isso, mas ambigramas ficam mais bonitinhos e profissionais se estiverem vetorizados, e bem vetorizados.

Para quem não sabe, esse cara do ambigrama é Malcolm McDowell, interpretando Alex DeLarge, no filme Laranja Mecânica, dirigido por Stanley Kubrick, inspirado no livro homônimo de Anthony Burgess. Um ótimo ator num ótimo papel em um ótimo filme de um ótimo diretor, baseado num ótimo livro de um ótimo autor.

A frase usada, retirada do livro e do filme, nem é tão célebre, mas expressa bem a personalidade de Alex (antes do tratamento pelo método Ludovico). “Ready for a bit of the old Ultraviolence“, “Pronto para um pouco da velha Ultraviolência“.